Como definir uma identidade gênero-fluido específica?

Lune enviou a seguinte pergunta:

Eu fluo somente para gêneros não-binários. demi-boy,lunettian (Xenogênero vinculado ao fem) outro Xenogênero que ainda não defini,neutro e + não binários q não define ainda. como posso definir meu gênero? pfvr me ajudem! ❤ <:(

Existem vários termos para sua situação. Não acredito que haja nenhum especificamente para pessoas que são lunetianas, demi-homens, gênero neutro e de outras identidades não-binárias indefinidas que com certeza englobam outros xenogêneros, porém, existem termos mais gerais, como:

Eafluide (às vezes enbyfluid além de eafluid, que daria pra traduzir como enebefluide ou algo do tipo): Alguém cuja identidade de gênero é fluida somente ou majoritariamente entre gêneros não-binários.

Gênero-flor: Dependendo da definição, seria ou alguém cujo gênero é fluido mas nunca homem, mulher ou gêneros similares, ou fluido mas nunca feminino ou masculino.

Gênero-floren: Alguém cujo gênero é fluido, mas nunca 100% homem ou 100% mulher.

Giaragênero: Alguém que possui múltiplos gêneros, mas que não entende nenhum deles, ou a maior parte deles. Dá pra usar esse se você sentir que a maioria da sua experiência de gênero é composta por identidades de gênero que você não sabe definir.

Poligênero: Alguém que experiencia múltiplos gêneros. Não precisam ser ao mesmo tempo.

Gênero-fluido: Termo geral para qualquer pessoa que experiencia mudanças em sua identidade de gênero.

Não-binárie: Dizer que você é não-binárie explica que você não é 100% homem e nem 100% mulher, sem especificar nada.

Lembre-se de que não há a necessidade de você ter um único termo específico para sua própria experiência. Você pode cunhar um, mas não há vergonha em se dizer gênero-fluido ou eafluide entre as identidades que você descreveu, por exemplo.

Espero que isso possa ajudar.

– Ás

Demissexual e outras coisas?

Alguém enviou a seguinte pergunta:

Olá, há algum tempo tenho de entendido como uma pessoa demissexual… No entanto não posso dizer que não tenho libido ou que minha libido eh fraca… Mas que sinto naturalmente atração sexual por quem criei algum tipo de vínculo e muito pouco provável vá sentir atração sexual por quem não tenho algum vínculo afetivo. No entanto, sou capaz de ter vínculo afetivo com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, com varias formas de expressão de gênero… Estou um pouco perdide e confuse. Sei que não me entendo como alguém que gosta e quer praticar sexo compulsivo, nem quero me entregar sexualmente a quem não posso confiar de fato. Ao mesmo tempo sinto que sou capaz de ter prazer com mais de uma pessoa (se houver conexão) independente do seu gênero… Como demissexual eh muito conhecido como um termo para assexuais (pessoas que sentem nenhuma ou pouca atração sexual) me senti um tanto contraditórie, uma vez que sou capaz sim de sentir atração sexual e muita, desde que os vínculos existam e eles podem se estabelecer com mais de uma pessoa, independente do gênero. Afinal, qual o termo para isso? Demi-multi? Ainda não sei… Espero que tenha sido clare, e se puder me ajudar com uma resposta, serei muito grate!

Sentir um desejo sexual grande sendo uma pessoa demi de maneira nenhuma contraria o fato de alguém ser assexual. A demissexualidade como expressão da assexualidade não é contraditória, porque ser assexual não é apenas sobre ter nenhum ou pouco desejo, também pode implicar num desejo que aparece somente numa condição específica, como esta, de só querer se relacionar sexualmente com pessoas com as quais se tem vínculos fortes. Pra ser assexual, não importa exatamente a quantidade de desejo que se tem quando a condição acontece; e sim que essa condição exista, esteja ali dentro.

Ademais, ser demissexual não invalida a existência de outras identidades, isto é, você pode se atrair sexualmente só por pessoas com quem você tem uma relação forte, e essa atração ainda assim pode depender (ou não) da identidade de gênero dessas pessoas (exemplo: lésbiques que são demissexuais). Sendo assim, você pode sim se identificar com vários rótulos ao mesmo tempo, identidades além da demissexualidade, como ser multi, bi/poli/pansexual (e ainda se considerar não-monogâmique).

(Nota pessoal: Não soube até hoje da existência de um rótulo que combine as duas identidades, multi e demi. Porém, você pode usar as duas em conjunto sem problema pelos motivos explicados acima, e se não existir nenhum nome que se encaixe na sua situação, você pode até cunhar o seu 🙂 )

– Muriel

Apenas adicionando, já que a resposta acima já cobriu todos os pontos importantes:

Existem alguns rótulos que combinam identidades a-espectrais com orientações que determinam por quantos/quais gêneros alguém sente atração, como aliquis, mas muitas pessoas simplesmente não especificam a orientação fora da a-espectralidade, enquanto outras combinam os prefixos.

Então vão ter pessoas que se dizem demissexuais multissexuais, outras que se dizem demimultissexuais, outras que se dizem multidemissexuais, outras que colocam hífen ou barra entre os prefixos para facilitar a leitura, e por assim vai.

Pessoalmente, eu geralmente só falo que sou demissexual em relação à minha orientação sexual, mas quando especifico a questão de gênero falo que sou virflexível e demissexual separadamente, ao invés de virflexdemissexual, ainda que seja uma opção válida. Não há regras, é uma questão de preferência.

– Ás

Tipo de relacionamento fluido?

Alguém mandou a seguinte pergunta:

existe algum termo pra quando um relacionamento muda entre romântico, queerplatônico, etc. porque uma ou mais pessoas nesse relacionamento tem uma orientação fluida?

Existe um termo chamado wavership (que já foi traduzido como ondulacionamento ou ondação) que é para pessoas que possuem ume parceire (ou mais) constante, mas cujo tipo de relação muda de tempos em tempos por qualquer razão (incluindo orientações fluidas que fazem com que tais parceires não estejam sempre atraídes das mesmas formas, mas outras razões são válidas também).

Acredito que este termo seja o que você procura. Porém, outro termo que pode ser útil é variship (que já foi traduzido como varicionamento ou varirrelação), que é uma palavra para relacionamentos onde as pessoas envolvidas não sentem as mesmas formas de atração umas pelas outras.

~ Ás

Repulsa a atos românticos, mas não a relacionamentos?

Alguém perguntou:

existe alguma orientação em que você gosta da ideia de namorar alguém, mas ao mesmo tempo sente repulsa em relação a coisas consideradas românticas ou a se imaginar participando delas?

Primeiramente, acho que vale a pena lembrar que orientações geralmente são definidas a partir da presença ou ausência de atração romântica, e de acordo com as condições para que a atração possa ocorrer (caso existam).

Embora não haja nada de errado em usar termos que indiquem mais do que isso, esse tipo de sentimento conflitante pode ser compatível com a maioria das orientações românticas. Uma pessoa pode ser panromântica e ter repulsa a atos vistos como românticos, ou pode ser arromântica mas ter interesse em participar de relacionamentos românticos por desejar a intimidade implícita nelas, por exemplo.

Ainda assim, é comum que existam termos a-espectrais – ou que geralmente são vistos como pertencentes a tal guarda-chuva – que indiquem esse tipo de detalhe. Aqui estão alguns deles, e mais outros que podem encaixar:

Inactromântique, inactorromântique ou initiarromântique: Alguém que sente atração romântica e que tem vontade de estar em relacionamentos românticos, mas que sente repulsa a ações associadas com atração romântica.

Acorromântique: Alguém que sente atração romântica e que quer agir com base nesta atração, mas que ao mesmo tempo sente uma grande aversão a isso por conta de apreensão, experiências ruins ou outros receios relacionados a se envolver em relacionamentos românticos.

ARCromântique: Alguém que sente aversão, repulsa e/ou conflito (no sentido de ter sentimentos conflitantes) em relação a romance. Alguém ARCromântique não precisa ser arromântique.

Apotirromântique: Alguém que tem repulsa a romance. Algumas definições – mas não todas – também especificam que pessoas apotirromânticas nunca sentem atração romântica.

Cupiorromântique: Alguém que não sente atração romântica, mas que deseja participar de relacionamentos românticos.

Aegorromântique: Alguém que consegue gostar da ideia de romance e fantasiar ativamente sobre romance, mas que não sente atração romântica, e provavelmente nem vontade de participar de um relacionamento romântico.
Alguém que possui uma falta de conexão entre si e o objeto de adoração romântica, de forma que talvez até consiga imaginar na teoria como seria se apaixonar, mas sem conseguir.

Volitromântique: Alguém capaz de sentir atração romântica, mas que não a sente por ninguém em particular.

Entendo que talvez nenhum destes termos seja adequado para essa situação específica da pergunta; inactorromântique chega perto mas não se a pessoa em questão for cupiorromântica também. Se for esse o caso, talvez um termo novo tenha que ser cunhado.

~ Ás

Termos para expressão de gênero fluida?

Alguém perguntou:

existe algum termo pra quando uma pessoa tem expressão de gênero fluida?

Existem diversos termos feitos pra isso, embora nenhum seja extremamente popular. Ao menos alguns deles são:

Transexpressive: Alguém cuja expressão de gênero é fluida, sem que sua identidade de gênero seja fluida.

(Algumas pessoas não gostam desse termo por conta de conter trans no nome sem ter a ver com ser transgênero, além da questão do nome não indicar bem uma expressão fluida, mas este é provavelmente o termo específico mais divulgado desta lista.)

Apresentação-fluida ou abroexpressive (entre outras opções de nomes): Alguém que muda sua expressão de gênero de tempos em tempos.

Fluktuaz*: Um termo bem abrangente que descreve um relacionamento fluido com expressão de gênero e/ou com conexão a qualidades ou alinhamentos de gênero.

Este termo não é muito bem explicado. Sua definição diz quem é fluktuaz tem uma identidade de gênero estática (não fluida), mas também diz que ser fluktuaz é algo completamente separado do que a identidade de gênero pode ser e que é algo no guarda-chuva gênero-fluido.

Ainda assim, a ideia geral parece ser que fluktuaz pode cobrir pessoas com expressão de gênero fluida, só que também cobre outras pessoas, como pessoas que sentem alguma conexão fluida entre qualidades de gênero (como feminilidade, neutralidade, androginia…) sem que suas identidades de gênero em si mudem.

Luagênero: Um gênero que pode mudar em aparência mas que sempre está lá. Essa aparência pode se referir à expressão de gênero.

Oppetgênero*: Um xenogênero focado no conceito de fluidez extrema em relação à expressão de gênero, estética e/ou forma de se referir às suas identidades, ainda que a identidade de gênero base seja fixa. É um xenogênero baseado em boneques de porcelana que pode ser comparado a ser como/parecido com ume boneque, que pode também ser descrito como um estado de ausência de gênero delicado, frágil e elegante.

* indica termos que talvez sejam registrados de forma mais adaptada caso mais material seja feito sobre eles (sem a letra K ou sem pp no meio da palavra, por exemplo).

Dito isso, não há problema algum em só se dizer alguém com expressão de gênero fluida. 😛

~ Ás

Como contribuir para a comunidade?

Alguém perguntou:

Tenho vontade de contribuir para a comunidade de alguma forma. Vocês poderiam me dizer de que maneiras posso agregar ou ficar mais presente?

Há muitos coisas possíveis de se fazer, desde aquelas “pequenas” ações como conscientizar ume parente ou alguém na rua até participar de organizações e movimentos sociais. Não sei onde você mora, qual é a situação aí, ou se você tem saúde e/ou disposição pra qualquer coisa. Então darei uns direcionamentos mais gerais e resumidos. Você pode:

  • se informar e pesquisar constantemente sobre a comunidade e suas questões, e repassar esse conhecimento como puder;
  • se politizar, e estar sempre se posicionando em seu cotidiano e/ou redes sociais;
  • criar conteúdos (texto, postagem, vídeo, arte, etc) sobre a comunidade que visem informar, dar visibilidade, representar, enfim;
  • criar e/ou fazer parte de grupos e coletivos, e assim também promover ações afirmativas (como um evento interativo) e, se possível, evoluir para ações mais sociais (como doações para casas de acolhimento).

Há muito o que fazer e que pode ser feito. Acho que é isso que eu poderia dizer. Boa sorte!

~ Oltiel

Eu tinha feito uma postagem com sugestões de conteúdo a ser postado aqui, caso interesse. 🙂

~ Ás

Orientação específica a certas identidades de gênero + expressões?

Alguém fez a seguinte pergunta:

existe alguma orientação em que você só sente atração por não bináries que não tem expressão de gênero masculina e por homens binários com qualquer expressão de gênero?

Em geral, recomenda-se não misturar atração por expressão de gênero e atração por identidade/alinhamento de gênero, já que isso tende a estereotipar pessoas de forma cissexista ou ao menos a parecer que a intenção é estereotipar.

Recomendamos o termo toren (atração por homens e por pessoas não-binárias sem especificar quantas ou quais identidades não-binárias estão inclusas em tal atração), embora tenham vários outros que também cubram essa possibilidade de atração, como bi, poli e virflexível.

~ Ás

Gênero-orientação está dentro do guarda-chuva xenogênero?

Alguém enviou a seguinte pergunta:

gênero-orientação é um xenogênero? Se não for, então por que não é?

Francamente, acho que depende da perspectiva de cada pessoa em relação ao(s) seu(s) gêneros-orientação.

Gênero-orientação é um termo guarda-chuva para qualquer pessoa que vê sua identidade de gênero como intrinsecamente ligada à sua orientação.

Entendo que alguém cujo gênero só pode ser descrito como arromântique ou abrossexual ou irrexiane ou algo assim possa sempre dizer que é xenogênero. Afinal, tais orientações são abertas a pessoas de qualquer identidade de gênero, e não são relacionadas com gêneros binários ou com conceitos ligados a estes (ou definidos por não serem estes) e sim a certas presenças e/ou ausências de atração.

Porém, será que alguém que diz que é lésbique como identidade de gênero por ter um gênero adjacente a mulher mas alienado do conceito comum de ser mulher por sua atração por mulheres se vê como xenogênero por conta disso? Será que alguém que é gênero-aquileano por sentir que sua atração por homens vem de ser homem, mas que não tem certeza se isso faz delu não-binárie ou não sente que é xenogênero?

Estes são alguns dos exemplos mais “extremos” que consigo dar; também é possível que pessoas gênero-assexual ou gênero-feminamórico ou afins não sintam que mesmo que sua orientação defina sua identidade de gênero ela seja percebida como um xenogênero. O contrário também vale; é possível que alguém gênero-gay ou gênero-sáfico ou com qualquer outro gênero-orientação se veja como xenogênero por conta de seu gênero ser indescritível sem o entrelaçamento da orientação.

O que quero dizer aqui não é que quem é xenogênero precise ter uma noção de gênero completamente alheia a identidades de gênero mais “entendíveis dentro de concepções comuns”. Uma pessoa pode ter um xenogênero feminino, como gênero-safira, ou ser trigênero xenogênero/homem/neutrois, por exemplo.

A questão é que ao menos em várias sociedades eurocêntricas não só existe estigma e desconhecimento acerca de xenogêneros (o que faz com que pessoas possam evitar se descrever com o termo ainda que ele possa ser aplicado), como também há uma associação de identidades de gênero com orientações. Isso faz com que pessoas heterodissidentes possam se sentir alienadas do binário de gênero por conta de suas orientações sem que isso pareça ser uma experiência “fora de concepções comuns de gênero”.

E, além disso, é possível alguém usar gênero-orientação de formas como “não tenho gênero por não sentir atração”, “tenho um gênero parcialmente andrógino por sentir atração tanto por homens quanto por mulheres” ou afins. Ainda que tais descrições coloquem a orientação como uma motivação para a identidade de gênero (e portanto inseparável desta, e portanto se encaixando em gênero-orientação), elas demonstram experiências de gênero que não se encaixam na definição de xenogênero.

Finalmente, não acho que a pessoa perguntando precise saber disso, mas acho bom ressaltar que nem toda pessoa possui uma justificativa para sua identidade de gênero, e que nem toda pessoa possui identidade de gênero e orientação como questões que afetam uma a outra. Algumas pessoas são gênero-orientação, sim, e elas não vão deixar de ser por conta de desconforto alheio ou preocupações com heterossexismo internalizado. E muitas outras pessoas não são gênero-orientação, de forma que não se deve presumir ou questionar identidade de gênero com base na orientação ou vice-versa.

~ Ás

Como identificar atração queerplatônica?

A seguinte pergunta foi enviada ao blog:

como eu faço pra saber se sinto atração queerplatônica ou não? Sempre que eu me imagino em um RQP, me imagino com outre não binárie, mas as vezes sinto que eu não sentiria atração nenhuma se eu realmente estivesse em um RQP e as vezes também questiono se o que eu sinto é só atração platônica mesmo

Se você não sente atração, você não sente atração. Não adianta muito ficar especulando sobre a possibilidade de você ter atração ou não.

Atração queerplatônica geralmente é definida como a vontade de estar em um relacionamento queerplatônico com alguém. Se você nunca teve vontade de ter relacionamentos queerplatônicos com alguém específique, você pode dizer que não sente essa atração.

Assim como outros tipos de atração, é possível ter fantasias ou mesmo não se importar em ter um relacionamento com alguém sem sentir atração. Pessoas cupio existem, pessoas aego existem, e pessoas que nem usam rótulos específicos pra isso além de assexual ou aro ou outros assim também.

E, assim como a maioria das pessoas não nasce sentindo atração, é possível que você eventualmente sinta atração e queira mudar o rótulo que usa (se é que você for usar um, já que orientações queerplatônicas raramente são mencionadas ou perguntadas sobre).

Porém.

Queerplatônique é um termo que foi feito para ser vago. Caso você possa, recomendo ler as seguintes postagens:

Estas postagens falam sobre o conceito de relacionamentos queerplatônicos ao invés do tipo de atração relacionado, mas a questão é que os conceitos de atração e de orientação queerplatônicas vieram depois – e a partir – desse conceito.

Você pode ter atração platônica ou alternativa (ou outra) e usar ela para medir interesse em relacionamentos queerplatônicos. Você também pode não definir nenhuma atração que você tem como queerplatônica e ainda se abrir à possibilidade de estar num relacionamento queerplatônico. Não há a necessidade de usar o conceito de atração ou de orientação queerplatônica se você não sabe se ele se aplica a você, ou se você concluir que esses conceitos não se aplicam a você.

Resumindo: Não dá pra fazer nenhum teste pra saber se você sente ou não certo tipo de atração. Mas isso também não é um problema. Você ainda pode entrar ou não entrar nos tipos de relacionamentos que você tem vontade de ter, sem que a atração importe. É importante se comunicar abertamente sobre suas vontades num relacionamento, independentemente das formas de atração que vocês sentem.

~ Ás

Ciclo-orientade?

A seguinte pergunta foi enviada:

existe alguma orientação que é que nem ciclogênero mas ao invés do gênero mudar é a orientação que muda? E qual é o nome de ciclogênero em inglês?

Ciclogênero (que é cyclogender na língua inglesa) possui dois significados:

  1. Um termo para pessoas cujas identidades de gênero mudam com o ciclo menstrual;
  2. Um termo para pessoas bipolares cujas identidades de gênero são entrelaçadas com seus episódios (maníacos, hipomaníacos, depressivos, mistos, etc).

Uma sugestão aqui é de separar os dois termos como ciclogênero-m e ciclogênero-b, respectivamente.

Quanto a ciclogênero-m, existe a orientação ciclo (também cyclo originalmente), cunhada aqui.

A definição é a mesma, mas com atração ao invés de gênero: alguém ciclo tem uma atração que funciona de forma diferente de acordo com o ciclo menstrual.

Já em relação a ciclogênero-b, existe oscil (termo original oscill), uma orientação que muda em relação a qualquer episódio de bipolaridade.

Como termos mais específicos, também foram cunhadas as orientações peto (uma orientação que muda durante episódios de mania ou hipomania) e fusc (uma orientação que muda durante episódios de depressão).

Caso a ideia seja usar só uma orientação que tem a ver com ciclos, também posso oferecer esses:

Cascada-: Uma orientação que é como se fosse uma cascata que passa por outras orientações, e que funciona como um ciclo.

Soroza-: Uma identidade como acefluxo/arofluxo/etc., mas que possui uma sequência específica de orientações pelas quais a pessoa passa.

Unda-: Uma orientação que vem e vai como a maré ou o ciclo da lua.

E daí também tem abro e duo mesmo, como termos mais gerais para orientações que passam por mudanças.

~ Ás